Aviso de Pauta: Mutirão faz ‘muvuca’ para plantar mudas e sementes na orla do Descoberto

Adasa mobiliza neste sábado (13) nove parceiros e voluntários para ação inédita de recuperação ecológica de área degradada na orla do Reservatório do Descoberto. Ao tentar reproduzir o mais fielmente possível a vegetação original, o objetivo é converter o local em uma zona viva de pesquisa sobre reabilitação do maior bioma brasileiro e garantir oferta de água no futuro.

Fiapo, rabo de burro, assa-peixe, brinco de princesa, mimosa, baratinha, caju e ipê caraíba. Todas são espécies de gramíneas, arbustos e árvores nativas do cerrado. Muvuca é o nome da técnica de reflorestamento que combina o lançamento de sementes ao plantio de mudas. Ao coordenar a semeadura direta de 208 quilos de sementes nativas colhidas em campo, entremeadas com o plantio de 1.500 mudas de árvores de portes variados e em distintos estágios de crescimento, a expectativa é que as novas plantas consigam adaptar-se melhor às condições naturais específicas e sobrevivam ao frio, à chuva, ao calor e à estiagem.

O desafio da iniciativa é duplo:  assegurar que o maior número de árvores chegue até a idade adulta, já que a taxa de mortandade de mudas nativas do cerrado –e também de outros biomas– pode ultrapassar 70% no primeiro ano; e garantir que a nova cobertura vegetal tenha impacto imediato e direto na recomposição dos recursos hídricos do DF. Neste sábado, a ação ocorrerá em dois hectares, mas o objetivo é reflorestar 30 hectares até o fim deste ano.

37069741703 f3b0032c57 mA muvuca surge como uma alternativa mais econômica e eficaz em relação às técnicas tradicionais de reflorestamento e representa interesse no campo científico, uma vez que se trata de uma metodologia inovadora e que vem apresentando bons resultados para o cerrado em outros pontos do país. Não que a semeadura direta seja uma técnica superior ao plantio, apenas pode ser mais adequada para algumas variedades que outras e, ao ser combinada com o plantio de mudas, consegue remontar com satisfatória fidelidade o jardim que a natureza levou anos, décadas e até séculos para construir. Aparentemente, o cerrado pode parecer demasiado rústico e se apresentar em desordem, mas a verdade é que cada espécie tem seu devido lugar. E, por meio da infiltração das raízes das novas inquilinas, será aprimorada a capacidade da terra de estocar água no subsolo.

Esse é o embrião de um modelo a ser multiplicado na região do Descoberto. A proposta teve várias etapas de preparação e começou há muitos meses, por meio da articulação da Agência Reguladora de Águas, Energia e Saneamento Básico do Distrito Federal (Adasa), junto a outros nove parceiros da iniciativa pública e privada: Secretaria de Agricultura, Abastecimento e Desenvolvimento Rural (Seagri), Empresa de Assistência Técnica e Extensão Rural do Distrito Federal (Emater), Rede de Sementes do Cerrado, Companhia de Saneamento Ambiental do Distrito Federal (Caesb), Instituto Brasília Ambiental (Ibram), Associação Pró descoberto, World Wildlife Fund (WWF), Centro Nacional de Avaliação da Biodiversidade e de Pesquisa e Conservação do Cerrado e Flora do Descoberto (CCB/ICMBIO) e o grupo de empresários e produtores do evento cultural NA PRAIA, que viu na ação colaborativa tanto uma oportunidade de fazer algo concreto para impactar na recomposição da flora do cerrado, como também ajudar a amenizar um problema que tem feito parte do dia a dia dos brasilienses há mais de um ano: a falta de água. Iniciativa que além de verde é também azul.

"O projeto NA PRAIA, um evento Carbono Zero, que não contribui para a mudança do clima, se envolveu nessa iniciativa como uma resposta para além da neutralização das suas emissões de gases de efeito estufa, contribuindo de forma inovadora para acabar com a crise hídrica no Distrito Federal e no Brasil", afirmam os organizadores do evento.

Muvuca

O processo consiste em revolver a terra seguidas vezes em alguns períodos do ano, durante a seca e também nas primeiras chuvas, para eliminar capins exóticos e ervas daninhas e extirpar suas sementes mais profundas que poderiam comprometer o desenvolvimento de mudas e sementes típicas. Depois, é preciso escavar mecanicamente o terreno para construir bacias de contenção para reduzir a velocidade da agua. Desta forma, é possível espalhar água pela maior superfície possível e infiltrá-la da maneira mais distribuída, com menor velocidade e maior profundidade para aprisioná-la no subsolo.

Quando se planta uma árvore nativa, espera-se que ela restaure parte do equilíbrio hídrico da região. Mais do que sombra e frutos, podemos dizer que, ao plantarmos árvores, arbustos, capins e gramíneas do cerrado, iremos garantir água fresca para todos.

Qualquer pessoa interessada em participar da ação neste sábado (13) pode obter mais informações pelo telefone 61-3961-4900. 

SERVIÇO:

Pauta: Mutirão para plantio de mudas e sementes na orla do Descoberto

Data: 13-01-2018 (Sábado)

Local: Orla do Lago Descoberto – RESERVA BIOLÓGICA DO INCRA 9 – CHÁCARA 3/484

8:00     Saída do ônibus da Adasa – Endereço: SAIN Estação Rodoferroviária de Brasília, S/N – Ala Norte – CEP: 70631-900, Brasília, DF

8:40     Chegada do ônibus ao local e café da manhã

9:00     Orientações técnicas da Rede de Sementes Cerrado. Repartição em diferentes grupos com coordenadores

10:00   Primeiro plantio de mudas. Segundo procedimento: semeadura

12:30   Almoço do Rancho Paraná – preço popular

12:30   Saída do segundo grupo – ponto de encontro na R2 - SCN QUADRA 02, BLOCO “A”, N.º 190, SALA 502, PARTE N - EDIF. CORPORATE FINANCIAL CENTER – Asa Norte

13:00   Ponto de encontro Taguaparque – Colônia Agrícola Samambaia - Taguatinga, Brasília - DF, 70297-400

13:20   Chegada do ônibus do NA PRAIA à orla

13:30   Orientações técnicas da Rede de Sementes Cerrado. Retomada da semeadura

13:30   Chegada ao reservatório do Descoberto

14:00   Rede de Sementes do Cerrado faz apresentação

14:15  Início da Semeadura (mão na massa)

16:00   Saída do ônibus para a ADASA

16:30   Lanche + Encerramento + Colocação da placa no local

17:00   Partida da van de volta ao Taguaparque e R2

16:30   Lanche da tarde

17:00   Encerramento das atividades

 Obs: Usar roupas e calçados confortáveis

 

Assessoria de Comunicação e Imprensa
aci@adasa.df.gov.br
(61) 3961-4909/4972