Ribeirão Sobradinho ganha dia de comemoração

 

O Governador de Brasília, Rodrigo Rollemberg, sancionou a lei que institui o Dia do Ribeirão Sobradinho, a ser comemorado todo dia 9 de maio. O projeto foi de autoria do Deputado Wasny de Roure e aprovado pela Câmara legislativa do Distrito Federal.

Cachu 03

 

A Agência Reguladora de Água, Energia e Saneamento Básico do Distrito Federal (Adasa) assinou em maio desse ano o contrato para elaboração do diagnóstico ambiental do Ribeirão Sobradinho, maior rio urbano do DF. O estudo embasará a criação da Unidade de Conservação na região, incluindo o Parque Canela da Ema. O objetivo é realizar análises técnicas para definir uma poligonal ideal, levando em conta as áreas de abrangência dos parques já existentes na região e contribuir para um projeto de recuperação do curso d´água, considerado por diversos pesquisadores como um “rio morto” do ponto de vista biológico.

O ribeirão, que nasce próximo ao condomínio Alto da Boa Vista e tem 28 quilômetros de extensão até chegar ao rio São Bartolomeu, percorre chácaras, propriedades rurais e áreas públicas em 153km² de drenagem, sofre há mais de 20 anos com a ocupação irregular ao longo de suas margens. Segundo a Companhia de Planejamento do Distrito Federal (Codeplan), a população de Sobradinho I e II passou de 133 mil em 2004 para 170 mil pessoas em 2015. O crescimento rápido e desordenado desmatou e impermeabilizou o solo, fazendo com que as águas pluviais se misturassem ao esgoto clandestino e aos resíduos sólidos urbanos desaguando no ribeirão, além de centenas de quilos de entulho e lixo que ali são diariamente despejados.

A Adasa coordena o Grupo de Trabalho do Ribeirão Sobradinho e contou com diversos órgãos do governo do Distrito Federal participantes do GT para realizar levantamento de dados, coletas de informações e elaboração de pareceres técnicos necessários para descrever da situação atual do Ribeirão Sobradinho, considerando aspectos ligados a qualidade da água, situação fundiária, licenciamento, esgotamento sanitário, agronegócio, resíduos e drenagem pluvial, além das diversas atividades antrópicas responsáveis pelas condições degradantes em que o corpo hídrico se encontra, o que gerou, de maneira preliminar, o Relatório de Diagnósticos e Soluções para a Recuperação Ambiental do Ribeirão Sobradinho.

Esse resultado será balizador dos trabalhos do Instituto Brasília Ambiental (Ibram) na criação da Unidade de Conservação Canela da Ema. Essa é uma conquista da população de Sobradinho I e II, que há anos anseia pela recuperação e preservação do Ribeirão Sobradinho.

Assessoria de Comunicação e Imprensa
aci@adasa.df.gov.br
(61) 3961-4909/4972