Minuta de regulamentação das estações de transbordo recebe contribuições

Audiência pública, nesta terça-feira, 22, reuniu, na sede da Agência Reguladora de Águas, Energia e Saneamento Básico do Distrito Federal (Adasa) interessados e representantes de instituições que lidam com as estações de transbordo. O evento serviu para a o acolhimento de contribuições ao texto de uma minuta de resolução, documento que a Adasa prepara a fim de orientar o Serviço de Limpeza Urbana do Distrito Federal (SLU) no trabalho com esses pontos intermediários de destinação de resíduos.

O auditório da sede da Adasa, com os dirigentes da Agência à mesa, recebeu cidadãos e técnicos representantes do Serviço de Limpeza Urbana do Distrito Federal (SLU), da Frente Parlamentar Ambiental da Câmara Legislativa (CLDF) e do Movimento Nacional dos Catadores de Materiais Recicláveis (MNCR). As estações de transbordo são pontos de transição, onde o lixo é descarregado dos caminhões compactadores, depois colocado em carreta para seguir até o destino final, o aterro sanitário.

A resolução, depois de publicada, servirá para melhorar a efetividade e a qualidade da prestação dos serviços de manejo de resíduos sólidos nas Estações de Tratamento de Resíduos Sólidos (ETRS). Conforme estudos feitos pelo Serviço de Limpeza Urbana do Distrito Federal (SLU), é preciso ampliar as três estações de tratamento já existentes em Brazlândia, Gama e Sobradinho, para mais sete pontos que devem ser construídos na Asa Sul, em Ceilândia, Taguatinga, Águas Claras, Asa Norte e Estrutural.

Técnicos e reguladores da Superintendência de Resíduos Sólidos da Adasa vão analisar contribuições que trarão eficácia às aplicações instrumentais da resolução. “A regulamentação de procedimentos operacionais é importante para adequar as orientações instituídas pela Lei Federal 12.305/10, da Política Nacional de Resíduos Sólidos (PNRS), às características de trabalho vigentes no Distrito Federal”, explicou o representante do Movimento Nacional dos Catadores de Materiais Recicláveis do Distrito Federal, Ronei Alves.

Hoje, a demanda crescente pelas estações evidencia a importância da preparação da minuta de resolução. “A implantação de novas estações de transbordo e triagem é necessária, para que a retirada de materiais recicláveis dos resíduos da coleta convencional seja viabilizada, a exemplo do funcionamento das ETRS de Brazlândia e Sobradinho, e nas Usinas de Tratamento Mecânico Biológicas de Ceilândia e na Asa Sul”, argumentou o diretor técnico do SLU, Paulo Celso.

Assessoria de Comunicação e Imprensa 
Telefones: 3961-4909/4972 
aci@adasa.df.gov.br