Brasília conquista o segundo lugar no Ranking da Universalização do Saneamento

 

Brasília conquistou na sexta-feira (5/6) o segundo lugar entre as capitais brasileiras no Ranking ABES da Universalização do Saneamento 2020. A 4ª edição do prêmio, realizado pela Associação Brasileira de Engenharia Sanitária e Ambiental (ABES), avaliou 1857 municípios, representando cerca de 70% da população do país e mais de 33% dos municípios brasileiros. Um dos objetivos do ranking é apresentar um panorama da situação do país em relação à universalização do saneamento. Este ano, como consequência da pandemia da Covid-19, a premiação de entrega do selo ocorreu de forma virtual.

Os dados para a produção do ranking são fornecidos pelos municípios ao Sistema Nacional de Informações de Saneamento (SNIS). O cálculo é feito após análise de cada um dos cinco indicadores utilizados: abastecimento de água, coleta e tratamento de esgoto, coleta e destinação adequada de resíduos sólidos. Com a pontuação final, o ranking identifica quão próximos os municípios estão de atingirem suas metas e apura ainda os impactos da precariedade da saúde em função da ausência de saneamento.

Na edição de 2020, a categoria “Compromisso com a universalização” exigiu nota entre 450 e 489 pontos. A maior parte das capitais brasileiras está na categoria “Empenho para a universalização” (com nota entre 200 e 449 pontos). O Distrito Federal alcançou um total de 484,36 pontos dos 500 possíveis.

O levantamento do SNIS teve como referência o ano de 2018, quando foi fechado o antigo lixão da Estrutural. A Agência Reguladora de Águas, Energia e Saneamento Básico do Distrito Federal teve papel relevante junto ao Serviço de Limpeza Urbana do DF (SLU), no processo que resultou o encerramento das atividades no local. Para o presidente da Agência, Paulo Salles, o fechamento do lixão foi um marco para o Distrito Federal e contribuiu significativamente para a segunda colocação da capital no ranking. “O fechamento do lixão foi um dos maiores acontecimentos, desde que Brasília foi criada. Foi um grande passo para gestão adequada dos resíduos no DF”, destacou.

Além das resoluções e normas técnicas publicadas pelo órgão regulador para garantir a eficiência na prestação dos serviços públicos de abastecimento de água, esgotamento sanitário e gestão de resíduos no DF, a Adasa participou efetivamente da elaboração do Plano de Intervenção no Lixão do Jóquei e dos planos distritais de Saneamento Básico (PDSB), sancionado no início deste ano, e de Gestão Integrada de Resíduos Sólidos (PDGIRS), que define diretrizes e metas para o gerenciamento de resíduos nos próximos 20 anos. “Ainda não atingimos 100% da coleta de esgoto e de resíduos, mas estamos avançando. A regulação tem prestado um grande papel”, observou Salles.

Apesar de ter 33 regiões administrativas (cidades), com mais de 3 milhões de habitantes, Brasília é avaliada como uma cidade única. Desta forma, o desafio de alcançar índices de excelência é ainda maior, já que a capital concorre com municípios que têm números bem menores de habitantes. Mesmo nessas condições, Brasília passou do 12° lugar no ranking, em 2019, para o 2° lugar na edição de 2020.

Outro objetivo da pesquisa é mostrar como as cidades brasileiras têm formulado suas ações de planejamento em saneamento, a fim de direcionar as políticas públicas no país e se habilitarem para a obtenção de recursos da União para esses serviços a partir de 2023.

Pesquisa

O Ranking da Universalização do Saneamento foi apresentado pela primeira vez em outubro de 2017. Utiliza dados do Sistema Nacional de Informações em Saneamento (SNIS), do Ministério das Cidades, e cruza estes dados com as informações disponíveis sobre as doenças relacionadas ao saneamento ambiental inadequado.

De acordo com o relatório, o Brasil registra atualmente 40 mil internações por falta de saneamento nos primeiros três meses do ano. Os gastos com essas internações chegam a R$ 16 milhões.

O documento completo pode ser consultado no site da ABES no link: http://abes-dn.org.br/

Com informações da ABES e da Agência Brasília

Assessoria de Comunicação e Imprensa (ACI)
61 3966-7514 / 7507 ou 3961-4972 / 4909 / 5084
aci@adasa.df.gov.br

 

 


OuvidoriaCanais de Atendimento
A Adasa possui os seguintes canais de atendimento
Fale com a ADASA

Geral

(61) 3961-5000 ou (61) 3961-4900

Telefone

Ouvidoria

162